Bruno de Andrade

 



Bruno de Andrade nasceu em Fortaleza, em 1988, de onde nunca arredou pé. Assim, culpa todos os seus problemas pelo excesso de sol no cocuruto.

Estudou Economia, Letras, Cinema e Jornalismo na Universidade Federal do Ceará. Fugiu de todos os cursos antes de aprender qualquer coisa relevante. Formou-se apenas na arte de fugir de obrigações. Está até hoje a aperfeiçoando.

Se apaixonou pela Literatura ainda na infância e desde então sempre teve pretensões literárias. Mas só em meados de 2010 começou a publicar alguns contos na internet, sob o pseudônimo Felipe Falconeri. Camaleônico, se arriscou por diversos gêneros e estilos nos dois anos seguintes, fracassando miseravelmente em todos. Dessa parca produção, dois contos, A Casa Xadrez e A Mão do Diabo, foram publicados na antologia ! – Antologia de contos fantásticos, lançada pela Caligo Editora. Tem orgulho de ter dado a brilhante ideia de batizar o livro com um ponto de exclamação, desenhado em amarelo sobre um fundo preto, numa belíssima capa. E torce para que essa ideia o redima por descer o nível da antologia com seus textos.

Depois de um longo hiato de quase uma década, retornou à pena, assumindo seu verdadeiro nome e a falsa vocação para contar piadas. Tem a sensação de que segue tomando péssimas decisões.

Jamais perde a mania de ressaltar o quão estranho é escrever em terceira pessoa sempre que precisa fazer uma minibiografia. E usa fotos com filhotes caninos para ganhar simpatia.

Contato: raposaescritor@gmail.com


Coluna Asas #43 - Palavrório - 12.03.2021

Coluna Asas #59 - O autor canino - 08.05.2021

Coluna Asas #65 - Filosofia pateta - 08.06.2021













Nenhum comentário:

Postar um comentário