segunda-feira, 12 de abril de 2021

Coluna Asas #53 - Krakoa: Refletindo sobre nossas bolhas sociais (Fil Felix)

 


Recentemente, o universo dos X-Men nos quadrinhos passou por uma repaginação pelas mãos do roteirista Jonathan Hickman, sendo sua principal mudança a criação de uma ilha-nação mutante: Krakoa. E lendo esse novo período, acabei me pegando refletindo a respeito das nossas bolhas sociais.

 

quinta-feira, 8 de abril de 2021

Coluna Asas #52 - Não deixe o punk morrer (Davenir Viganon)

 


O cyberpunk é meu subgênero favorito da Ficção Científica, desde que vi pela primeira vez (quando era um guri nos anos 90) aquele mundo escuro de Blade Runner, cheio de riqueza e pobreza coexistindo em caos. Com o passar do tempo, surgiram muitos gêneros derivados dele; o primeiro, o steampunk, foi criado pelos próprios expoentes do cyberpunk, William Gibson e Bruce Sterling, mas algo se perdeu nas quatro últimas décadas.

 

segunda-feira, 5 de abril de 2021

Coluna Asas #51 - Muito mais fácil (Catarina Cunha)


Pegando carona no excelente artigo anterior, Coluna Asas #50: “A mágica do livro infantil em um caminho repleto de percalços”, de Bia Machado, quero falar sobre uma lembrança de muitos séculos passados, de quando eu ainda era bancária. 

Conversando com uma colega de trabalho, durante a dose cavalar de café que nos era estrategicamente disponibilizado, comentei de minha vontade de escrever um livro, mas que não sabia por onde começar. Ela, mãe de duas crianças, respondeu sem titubear: “ Comece com um livro para crianças. Eu tenho que ler todas as noites para os meus filhos, são livrinhos tão chatos que eles dormem logo, às vezes eu antes deles. E é muito mais fácil de escrever.”

sábado, 3 de abril de 2021

Coluna Asas #50 - A mágica do livro infantil em um caminho repleto de percalços (Bia Machado)



Ontem foi o Dia Internacional do Livro Infantil, data escolhida por motivo de Hans Christian Andersen, um dos principais escritores da literatura mundial, ter nascido no dia 02 de abril de 1805. 

segunda-feira, 29 de março de 2021

Coluna Asas #49 - A difícil arte de crescer em Cassino Hotel - (Felipe Rodrigues Araujo)


Cassino Hotel, de André Takeda, não é uma obra que preza pelo estilo, não tem construções mirabolantes e nem jogos de palavras. É, sobretudo, uma história que não se preocupa em dosar a emoção, apresentando a reconstrução pessoal da vida do protagonista.