quinta-feira, 9 de setembro de 2021

Coluna Asas #74 - Singular - (Giselle Fiorini Bohn)

 



Quando eu era adolescente, quis contar a colegas da escola que meu irmão havia, anos antes, visitado a Patagônia. Mas na hora me confundi e disse que ele fora à Patolândia. Em outra ocasião, em uma brincadeira clássica de Stop!, na categoria animais com a letra D, escrevi Dinoceronte.

Acho que nem preciso dizer como ficou minha reputação intelectual entre meus amigos.


Agora, trinta e tantos anos depois, ainda rio com essas histórias e com muitas outras igualmente hilárias. Há também as constrangedoras, as ternas, as dramáticas, as tristes – todas guardo como joias. Na peça que é minha vida, não vejo minhas histórias como o pano de fundo ou o cenário, mas, sim, como o próprio espetáculo.

Porque amo histórias de vida. Por mais que eu aprecie a ficção e uma trama inteligente, a mim nada supera as coisas reais que acontecem com gente real na vida real. E, de alguma maneira – e felizmente! –, as pessoas ao meu redor parecem farejar esse meu fascínio: aonde quer que eu vá, há sempre alguém pronto a me contar sua saga. Adoro.

Mas cada vez que ouço um relato – banal ou impressionante, não importa –, eu me pergunto se ele se perderá. Ainda que um amigo, uma irmã ou um filho se lembre por algum tempo, chegará o momento em que estará esquecido para sempre. Sim, é da natureza da vida a transitoriedade, entretanto e ao mesmo tempo, tudo o que vivemos é tão único e tão particular que me dói pensar nesse apagamento.

Afinal, existem duas histórias iguais? Para cada general que entrou para os livros de História existiram milhares de soldados, cada um com seus pensamentos, seus medos, suas alegrias. Há aquele que deixou a namorada para trás, há um cujo pai tanto chorou sua ausência, outro que considerou desertar, possivelmente um que teve prazer em matar.  Isso tudo me interessa, muito, mais do que a biografia do militar condecorado.

O que torna uma história digna de ser imortalizada não é, ao menos a mim, sua grandiosidade, seu impacto ou as credenciais de quem a viveu, mas sua singularidade. Estamos tão habituados a acreditar que só os realizadores de grandes feitos merecem registros que não percebemos o quão precioso é o que cada de um de nós experiencia, sente, pensa, sofre, deseja.

No meu mundo ideal, todos escreveriam suas memórias. Todos contariam como foi seu primeiro beijo, o que sentiram ao perder alguém que amavam, qual seu maior arrependimento. E esse olhar para a própria história não seria apenas um presente que deixaríamos para nossos familiares e amigos, mas um favor que faríamos a nós mesmos: por mais doloridas ou maravilhosas que tenham sido as experiências, deveríamos sempre abraçá-las com reverência – são nossas e de mais ninguém.

E ao fazer isso, talvez nos lembrássemos de não cometer os mesmos erros, de perdoar – a nós e aos outros –, de não nos levarmos tão a sério. E, acima de tudo, talvez nos lembrássemos também de que tudo passa nesta vida.

Assim como passou a zoação por eu ter escrito dinoceronte. Demorou, mas passou.


11 comentários:

  1. Minha cronista preferida sempre me emocionando e me fazendo pensar. Amoooo. Parabéns pelo texto, Gi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você nem imagina como me toca um elogio seu, por quem tenho tanta admiração! Muito obrigada, amiga! 🥰

      Excluir
  2. Boa reflexão sobre lembranças, memórias, as boas e as ruins. Lembrar das ruins é inevitável e os erros do passado, se pudesse voltar no tempo, seriam corrigidos. Estou com 75 anos de um mundaréu de lembranças. Tenho um arquivo com minhas memórias, nem todas porque deixei de mencionar algumas bem ruins de caráter sentimental. As memórias estão lá, naquele arquivo que só eu leio porque não tenho coragem de mostrar para ninguém. Às vezes lembro dos erros que cometi, mas sinto alivio porque aprendi que errei e não os cometi novamente. Se tivesse uma máquina do tempo, voltaria ao passado para reparar os erros. Mas acho que, se tivesse aceitado aquele convite para ir ao encontro dela em Barra do Ribeiro, eu não estaria onde estou hoje e minha vida teria sido bem diferente. De qualquer forma, sim, me arrependi de não ir.rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, os arrependimentos! Ainda vou escrever uma crônica só sobre eles! :)
      Muito obrigada pela leitura e pelo comentário cheio de emoção!

      Excluir
  3. Nossa, Gi, essa pegou na alma. Que lindo! Essa crônica vai ficar comigo o fim de semana todo, acho que é uma das mais lindas que já li. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, minha querida, o aue eu faria da vida sem você?! Te amo! Obrigada por tudo!

      Excluir
  4. Uma reflexão belíssima e, sobretudo, muito sincera. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Um viva às pequenas experiências e ao que aprendemos com elas. Parabéns pela crônica, Giselle!

    ResponderExcluir
  6. Excelente crônica! Estrutura leve, mensagem tocante. Que as histórias reais façam a diferença para seus protagonistas e sejam inspiração para nós, cronistas! ;)

    ResponderExcluir

Contato: