sábado, 27 de março de 2021

Coluna Asas #48 - Não hoje - (Giselle Fiorini Bohn)


 

Agora que entrei nesta enrascada de me designar escritora, encontro-me cada vez com mais frequência em saias justas. Como se não bastasse a já clássica pergunta sobre minhas influências, cuja resposta sempre decepciona, agora preciso também pensar rápido para dizer alguma coisa que soe minimamente inteligente sobre tópicos como processo criativo, por exemplo. O que eu realmente gostaria de dizer é que meu processo criativo inclui a procrastinação levada ao limite do ataque de pânico à medida que o prazo se aproxima do encerramento, mas isso, com certeza, decepcionaria meus entrevistadores ainda mais.

Na verdade, procrastinação é uma palavra bonita e, ao menos para mim, relativamente nova; lembro até hoje de quando a vi pela primeira vez. Assim que compreendi seu significado, registrei-a em meu cérebro como a minha tão familiar “enrolação”. Sim, porque, de acordo com o meu dicionário, é isso o que eu faço: eu enrolo. Enrolo para começar, e, se começo, enrolo para continuar, e, se continuo, enrolo para finalizar. Uma enrolação sem fim.

E dá-lhe estratégias para lidar com isso. Todo dia escrevo listas de tarefas a cumprir, mas, já sabendo que não as cumprirei, coloco ali no meio algumas tarefas já cumpridas, só para que eu não me sinta um fracasso total por não cumprir o que deveria ter cumprido. Uma comprida lista de fracassos.

Estipulo prazos para mim mesma, e depois entro em longas conversas cheias de justificativas e peço extensões. Nem sempre sou compreensiva; às vezes toda a argumentação me parece como uma grande pataquada e, se pudesse, já teria me colocado no olho da rua. Mas na falta dessa alternativa, aguardo que o trabalho saia em algum momento, bufando “Ah, esses escritores...” em total frustração.

Sempre penso que minha habilidade em procrastinar é superlativa, mas isso talvez seja apenas meu ego querendo ser especialmente eficiente em alguma coisa. Assim, foi com certa surpresa que há alguns dias li um artigo sobre Douglas Adams, o autor de “O Guia do Mochileiro das Galáxias”, que mencionava um bilhete escrito por ele a si mesmo, lembrando-o de que, sim, escrever pode ser bom, pode ser prazeroso. E que se há dias em que empacamos e achamos horrível tudo o que fazemos, esses não são os únicos na nossa trajetória. O importante é continuar tentando.  

Afinal, enquanto houver ideias, enquanto a mente continuar fazendo sua parte, há esperança. A minha anda frenética: imagina a história, o narrador, o tom, a linguagem. Tem deixado tudo fervilhando em minha cabeça, por dias, semanas, meses. “E aí, vamos? Agora é só botar a mão na massa!”. Eis aí o único problema.

A mão não obedece, nenhuma das duas. Ao invés de se posicionarem sobre o teclado do laptop, elas buscam o celular e abrem dezenas de vezes ao dia os aplicativos das redes sociais, os sites de notícias, o WhatsApp. Enviam likes, coraçõezinhos, emojis de todos os tipos. Escrevem, sim, mas apenas coisas como “Lindo!”, “Parabéns!”, “Hahaha”, o que não ajuda em nada minha já pobre carreira literária - a não ser que inventem um prêmio para comentários no Facebook.

Meu medo é só que minha mente se canse das criações que não dão em nada, e se recuse a me dar mais ideias. Aí só me restará escrever crônicas como esta, chorando as pitangas. Eu realmente preciso fazer algo a respeito disso.



Mas não hoje. Amanhã.




Imagem: "Hourglass", de Steve Buissinne, disponível no site Pixabay.

2 comentários:

  1. O melhor de tudo foi o final. Pareceu quase a Scarlet O'Hara dizendo - amanhã eu penso nisso. Mas claro, ela não escrevia como você, só causava. Você também causa... inveja. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, querida! Escrevo esta resposta já porque não estou aguentando mais esta folgada que lhe fala! Beijos!

      Excluir